Terra em Transe*

A jornalista e blogueira, Franssinete Florenzano, em quinta-feria, dia 21 de janeiro de 2010, em seu blog, postou um roll de processos judiciais que Vic Pires Franco figura como parte.

Impunidade & injustiça

Se qualquer cidadão trabalhador, honesto, cumpridor de seus deveres, deixar de pagar suas contas, seus empregados e seus impostos, já sabe: arcará com juros, multas, penalidades sem fim, pode até perder o emprego.
Pois o deputado federal Vic Pires Franco, tão rico e viajado, além de ter sido acionado em dezenas de processos judiciais perante a Justiça Federal e a Justiça do Trabalho, por não pagar suas dívidas, responde no TJE-PA aos processos 2009.3.014400-7; 2009.1.042562-5; 2008.3004092-5; 2001.1.022730-4; 2008.1.001925-5; 2008.1.036928-8; 2007.1.044666-5; 999.1.023221-5; 2007.1.086456-0 (Valéria também).
Até agora – pasmem! – não teve que desembolsar nem um tostão. Sabem por que? O Tribunal não consegue encontrá-lo! Seu endereço, vejam só, tem sido incerto e não sabido todos esses anos.
E assim, fugindo das citações, retendo indevidamente processos nas mãos de seus advogados, através de mil e duas artimanhas, as cobranças – acreditem – prescrevem! É só clicar em cima dos números dos processos e vocês poderão ler a íntegra da situação de cada um. Verão que, durante anos e anos, eles ficam parados, sem despachos, sem mandados, sem nada.

Ah! Mas não queiram fazer a mesma coisa, porque irão se dar mal.

Note-se que o Mandado de Segurança 2008.1.021380-7, de autoria de Vic contra a Procuradora Chefe da Secretaria de Finanças de Belém, cujo pedido de liminar foi indeferido, ficou de 11/08/2008 até 16/12/2009 com o advogado, o que motivou o seguinte despacho, em 17.12.2009: “RH. Efetive Certidão circunstanciada sobre o tempo em que o Processo se manteve em mãos do Patrono da parte; Evidencie o longo tempo de mantença, mais de 365 dias, e a forma do resgate. P.R.I.C Belém, PA, 17 de dezembro de 2009. Dra. Edinea Oliveira Tavares, Juíza Titular da 5a. Vara de Fazenda”.
E prestem atenção no processo 2008.1.009121-1, em que Vic e Valéria pedem a condenação por danos morais da jornalista Ana Célia Pinheiro e de Jader Barbalho Filho: os dois políticos tiveram que ser intimados a pagar as custas (nem pensar!), no prazo de 30 dias, em despacho datado de 19 de março de 2008. Os autos foram parar na Defensoria Pública. Que, espera-se, esteja atendendo a Ana Célia e não os ricos que não gostam de gastar com advogados.

Postado por Franssinete Florenzano às 01:09 47 comentários

O Blog da Franssinete Florenzano já havia mostrado outros processos judiciais do Vic Pires Franco:

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Ficha suja

Vejam como o deputado Vic Pires Franco é reincidente em não pagar suas contas nem aos que trabalham para ele. Estes são mais alguns dos processos por não honrar sua palavra e contratos, todos com tramitação no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região:
Processo: 0215800-89.1990.5.08.0001;
Processo:0215800-68.1990.5.08.0008;
Processo:0217000-51.1992.5.08.0005;
Processo:0034200-26.1995.5.08.0013;
Processo: 0134700-41.1997.5.08.0010;
Processo: 0187100-78.2005.5.08.0001;
Processo: 0002900-42.1996.5.08.0003
Processo: 0148600-40.2005.5.08.0001 (este está em fase de execução. Foi preciso a 1ª Vara do Trabalho de Belém bloquear a conta de Vic em 7/10/2009 para que ele pagasse a dívida. Por sinal, foi enviada hoje ao BB a Guia de Retirada nº 00017/2010).

Postado por Franssinete Florenzano às 09:03 19 comentários

____________________/

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Ficha & prontuário

O deputado federal Vic Pires Franco – que ao invés de trabalhar para fazer jus à fortuna que ganha com o dinheiro do povo dedica-se em tempo integral a roubar a honra dos outros e passear no Exterior às custas dos cofres públicos com sua família, namorados das filhas e amigos -, é useiro e vezeiro em não pagar suas contas pessoais. Vejam só alguns dos processos a que responde, estes todos perante a Justiça Federal:

Postado por Franssinete Florenzano às 08:05 35 comentários

Vic Pires Franco, que também tem um blog, vem, sem dar nome aos bois mas dando claros indícios que é sobre tais postagens da jornalista, retrucando, ao seu estilo. Veja algumas, as mais recentes:

As Três Monas do Puty
21/1/2010

Não necessariamente nessa ordem aí de cima…

Hahahahahahahahahahahahahahahahahahaha

13  Comentários

____________________/

Porta de Xadrez
22/1/2010
Alô OAB !

Como é que pode advogado confundir o réu com o autor num processo ?

Isso cansa a minha inteligência !

Coisa de louco !

Deve ter tirado o diploma onde o Dudu mandou rodar o dele de médico.

Só pode !

Deveria ter recall da OAB pra esse tipo de gente burra.

5  Comentários

____________________/

Quer Que Eu Desenhe ?
22/1/2010
Me digam aí.

Será que é muito difícil para um advogado formado saber a diferença entre credor e devedor ?

Deixa eu explicar:

O devedor, deve !

Ele é o Executado !

O credor, tem a receber.

Ele é o Exequente !

Entendeu, ou quer que eu desenhe ?

PQP !

Não acerta uma !

É uma pena que ainda não tenham inventado um remédio pra pouca inteligência.

Ou pouco estudo !

4  Comentários

____________________/

A Monaloira do Puty
22/1/2010

Ela está morrendo de vergonha de ser vista com a turma do Governo.

Com o Puty, nem se fala

Só por MSN

Ela não aguenta de tanta chacota que os seus colegas de trabalho fazem quando ela passa.

Está enlouquecida

Ela não dá uma dentro

É só bola fora

Já estão chamando de Ofélia da ABCB

Ah, coitada !

Hahahahahahahahahahahahaha

4  Comentários

____________________/

Vão pra …
22/1/2010
Quando é que essa turma da ABCB vai crescer as custas do seu próprio trabalho ?

Égua meu !

É só querendo surfar no sucesso do meu blog.

Ficam me atiçando pra ver se eu entro na onda deles.

Entro nada !

Eles que se vendam para os governos de plantão.

Agora, querer crescer as minhas custas, não !

Antes do meu blog estavam largados nas prateleiras, cheios de teia de aranha.

Esquecidos !

Agora, pra fazer o contraponto daqui, são valorizados pelos seus novos patrões.

Pagos com o nosso dinheiro pra roubar a honra de quem se atreve a ser contra seus chefes.

Se juntarem todos os blogs da ABCB, não dá sequer um do Vic.

Não, mesmo !

Aqui, eu tenho ibope.

O meu blog é o mais acessado do Pará.

Disparado !

É também o maior em número de comentários.

Disparado !

E isso mata essa turma de inveja.

Eu não tenho culpa do fracasso dessa turma.

Não fui eu que os fiz burros e incompetentes.

Já nasceram assim.

Então, fiquem aí fazendo a propaganda do governo de vocês e garantindo o “chem” do fim do mês.

Quem vive de “frila” é jornalista desempregado e desacreditado.

A ABCB é um amontoado de mercenários a serviço do patrão de plantão, a troco de um trocado pra cachaça e meio kilo de charque.

O que eu tinha que fazer por essa turma de vagabundos, já fiz.

Que foi fazer o governo descobrir a existência deles e dar de comer a cada um.

Agora, se virem com as suas próprias pernas.

Ou, outras partes do corpo.

8  Comentários

O Vic Pires Franco criou uma sigla, um termo para caricaturar o que ele chama de Blogs Chapas Brancas. Que seriam, de acordo com sua definição, blogueiros que recebem DAS e/ou favores do Governo do PT para não falarem mal do mesmo.

Certo dia, recente, ele postou o seguinte:

Os Favoritos da Ana Julia
20/1/2010

BLOGOSFERA E SITES

7  Comentários

____________________/

Os favoritos do Puty
20/1/2010
Os Favoritos do Puty

BLOGOSFERA

2  Comentários

Aí, a jornalista Ana Célia, do blog A Perereca da Vizinha, ao ver seu blog publicado no Blog do VIC, na postagem do no roll do Blog da Ana Júlia, postou, ontem, o seguinte:

Sexta-feira, Janeiro 22, 2010

Vic Pires Franco, um canalha a varrer da História

Retirei a postagem abaixo do blog do diz-que deputado Vic Pires Franco.

Leiam, pois vou comentar.

“Os Favoritos da Ana Julia

– 20/1/2010 10:21:00

BLOGOSFERA E SITES

A perereca da vizinha
Agência Carta Maior
Agência Pará de Notícias
Amazônia1
Ananindeua Debates
Blog da Edilza
Blog da Franssinete
Blog da Meg
Blog do Alencar
Blog do Bacana
Blog do Bordalo
Blog do Diógenes
Blog do Henrique Branco
Blog do Hiroshi
Blog do Hrba
Blog do Jeso
Blog do Planalto
Blog do Puty
Blog do Waldyr
Blog do Zé Carlos
Blog Espaço Aberto
Blog Estado do Tapajós
Blog Flanar
Blog Fábio Castro
Blog Na ilharga
Carta Capital
DIAP
Dilma
Diário do Pará
FaloPorqueTenhoBoca
Governo do Pará
Governo Lula
Idesp
Ipea
Jornal Pessoal
Miriquinho PT
Movimento Solidariedade
Nassif
ORM
PT Nacional
Quinta Emenda
Zé Dirceu

A seguir, os comentários, naquele blog, acerca dessa tal postagem:

Ei VIC, teu blog não ta lá, porque? Pode Responder!
SERGINHO.. – 20/1/2010 21:27:00

Ela lê primeiro o Blog do Vic, depois o do pessoal da ABCB e vem com essa de querer dizer que o o teu Blog não é o favorito dela? Ana Julia porque tu não compras um bode e dorme com ele?
– 20/1/2010 18:20:00

Rapá, eu sou mesmo um cretino, visitar teu blog é cretinice. Apesar de ser cretino e não ladrão, muito menos da honra alheia é um espaço que temos para avaliar a conduta de nossos parlamentares. Cara, para de chamar os outros de ladrão e vai trabalhar.
– 20/1/2010 15:11:00

MAIS A CAREPA GOSTA MASI DO TEU E DO BARATA..RSRSRRSRRR
– 20/1/2010 14:08:00

Blog da Edilza? a comadre não faz mais parte da curriola dela há muito tempo, desde que se rebeleou ( para a felicidade dela – Edilza)
– 20/1/2010 13:26:00

essa eh a ABCB…….!!!!!!!!!! soh puxa saco do carai!
– 20/1/2010 13:15:00

ABCB completa
– 20/1/2010 11:33:00

O Meu Comentário:


Fazia tempo que não tinha o desprazer de ir àquela cloaca que o deputado federal Vic Pires Franco insiste em chamar de blog.

Infelizmente, uma amiga me chamou a atenção para o fato de o meu blog ter sido novamente citado naquela imundície.


Fui lá.

E constatei que esse arremedo de homem e de deputado insiste em me ofender e à blogosfera inteira, acobertado que se sente pelo mandato que possui e pelo fato de a Justiça brasileira não punir filhinhos de papai, como é o caso dele.

Vic é, realmente, um exemplo extraordinário de canalhice, mesmo na acanalhada política brasileira.

É um sujeito que se utiliza de um mandato eletivo para ofender as pessoas, como se um mandato eletivo fosse espécie de carta branca a tal comportamento.

É, em suma, uma desonra para o parlamento paraense e brasileiro, e, quem sabe, um caso a ser examinado pela Comissão de Ética da Câmara dos Deputados.

Conheço muitos blogs e sites de políticos; leio, nos jornais, artigos de deputados, senadores, governadores e até do presidente da República.

Mas, em todos esses artigos, sites e blogs o que vejo é que esses parlamentares agem como cidadãos, na defesa democrática de seus ideais.

Algumas vezes de maneira incisiva, é verdade. Mas, sempre na defesa das idéias que consideram justas.

Vic, no entanto, não age assim.

Se espremermos o blog dele, o que sobra é palhaçada, leviandade. Ofensas gratuitas, acusações sem provas. Preconceito, misoginia. E até a exposição intensiva dos próprios filhos, em benefício da carreira dele.

Nada, rigorosamente nada, em favor do interesse público. Apenas uma berlinda financiada com dinheiro público, para um ego miserável e acovardado.

E o que mais espanta é que Vic acha tudo isso lindo, maravilhoso.

Quer dizer, é menos que um doente mental, tamanha a sua incompreensão da dignidade do cargo que ocupa.

A dignidade que deveria obrigá-lo a usar de seu blog para debater idéias – e não para disseminar fuxiquinhos, fofoquinhas, futriquinhas, num espetáculo rigorosamente deprimente para um parlamentar.

Tão ou mais grave, é que Vic é um sujeito tão frouxo, tão acovardado que nem sequer tem a coragem de assumir as acusações que faz, seja através de suas insinuações pestilentas, seja através dos anônimos que encena em seu blog.

Quer dizer: todo esse negócio de “macheza”, de coragem, de “valentia” que ele apregoa por aí, não passa de lári-lári.

Porque, quando chega na hora de sustentar alguma acusação, o “corajoso” deputado Vic Pires Franco simplesmente se esconde atrás do dinheiro, do mandato, das insinuações imundas e do anonimato.

Não passa, portanto, de uma figurinha oca e amoral. Um gnomo em termos de caráter, a provocar repugnância em qualquer pessoa com um mínimo de dignidade.

Desde um café da manhã que a governadora Ana Júlia Carepa ofereceu aos blogueiros paraenses, há cerca de um mês, que o deputado Vic Pires Franco não pára de nos caluniar, com essas insinuações covardes de que somos “chapa-branca”.

É como um demente que se considera a própria Fonte da Integridade: Vic passa o perobal na cara e garante pra todo mundo que faz o único blog independente do Pará.

Como se ninguém soubesse que ele é presidente estadual do DEM, a vanguarda do atraso do Brasil.

Além disso, é um deputado servil, que vive por aí, de quatro, diante de tudo o que é liderança política deste estado, a tentar descolar uma boquinha.

Querem um exemplo? Eis mais uma postagem dele:


“Propina Made in China
21/1/2010

Muito estranha essa história da propina que a Camargo Correa pagou para o PT pela construção dos hospitais.
Será que existe restos de propina, como restos a pagar ?
Mais uma vez, que eu saiba quem construiu os hospitais foi o governo anterior.
Quer dizer então que a tal propina foi pelo pagamento de um “tantinho” de resto obra ?
Só pode, porque o grosso, o grosso mesmo, foi construído e pago no governo anterior.
O “tantão”…
Quer dizer que até de “tantinho” o PT não abre mão ?
Gulosa essa companheirada, hein !
E ainda são bestas e sofisticados !
Propina made in China !
Tiger !
Chiquérrimos !
Vão acabar virando notícia no Bernardino.
Afinal, quem faz e acontece acaba morrendo é lá…”


Vocês não notaram nada de esquisito nessa postagem do deputado?

Eu digo o que é que há de esquisito: Vic não dá UM PIO sobre a acusação de que Jader Barbalho e o PMDB também teriam recebido propina.

Nada! Um silêncio estarrecedor.

E vocês sabem por quê?

Porque Vic está aí, de quatro, diante do Barbalhão, a tentar conseguir o apoio do PMDB à candidatura dele e da Valéria.

Vic quer porque quer o apoio do mesmo Barbalhão que ele tanto criticou.

O mesmo Barbalhão que meteu corda no Vic para que ele ajuizasse aquela ação contra o convênio da Funtelpa com a TV Liberal. Um processo do qual o Vic, aliás, acabou desistindo, quando se acertou com o tucanato.

É engraçado isso…

Em 2006, o “brioso” deputado Vic Pires Franco tentou até mesmo cassar a concessão da RBA.

Mas, hoje, está aí num silêncio obsequioso em relação ao Barbalhão.

É o caso de se perguntar, já que o “valoroso” deputado é tão “independente”: por que é que ele não conta, em seu blog, como é que ficou essa história da concessão da RBA, que, na época, ele considerou um escândalo?

De igual forma, por que é que o “corajoso” Vic Pires Franco não nos fala, também, sobre o convênio entre a Funtelpa e a TV Liberal?

Ora, o deputado até ajuizou uma Ação Popular contra esse convênio, por considerá-lo lesivo aos cofres públicos!

Então, por que é que o “independente” deputado Vic Pires Franco não nos diz se, afinal, as ORM vão devolver aos cofres públicos os mais de R$ 35 milhões que o Estado luta para reaver?

É o caso de se perguntar: mas será que o Vic pensa que a gente não pensa?

Vic se sentiu “ofendido” porque não foi convidado para o café da manhã com a governadora.

Mas, se eu estivesse no lugar da governadora, também não o convidaria.

E sabem por quê?

Porque ele não é o único político paraense a possuir um blog ou um site.

Se fosse para convidar o Vic, então por que não convidar, também, o Giovanni Queiroz, o Flexa Ribeiro, o Zé Geraldo, o Nilson Pinto, o Zenaldo Coutinho, o Carlos Bordalo?

Qual o critério, qual a justificativa, para convidar apenas o Vic e não os demais políticos paraenses, que também possuem blogs e sites?

E o fato é que, desde aquela ocasião, o deputado Vic Pires Franco, movido pela inveja; por um ódio típico de um doente – que ele efetivamente é – passou a atacar todos os blogueiros paraenses, como se fôssemos “culpados” pelo convite para um café da manhã, do qual, pelo visto, ele queria tanto participar…

Não pude comparecer aquele café da manhã. Mas louvei a responsabilidade dos blogueiros que compareceram.

Afinal, os blogueiros, que somos a principal fonte de informação de um número crescente de internautas, deveríamos mesmo é ir lá, para fazermos as perguntas que os nossos leitores gostariam de fazer.

Mas bastou isso para que esse demente que posa de deputado passasse a nos ofender sistematicamente, da forma mais baixa, mas nojenta, com toda sorte de calúnias e piadinhas misóginas, especialmente à Franssinete Florenzano, à Marise Morbach e a mim.

Sim, porque o Vic Pires Franco vive de quatro diante do Barbalhão, mas gosta de bancar o “valente” diante de mulheres…

Penso que essa postura do deputado Vic Pires Franco depõe não apenas contra ele, mas, contra todos os políticos.

É um comportamento absolutamente covarde, grosseiro e desequilibrado, que só agrava a imagem ruim que os formadores de opinião já possuem acerca dos nossos parlamentares.

Penso, ainda, que o Vic não pode continuar impune.

Infelizmente, estou numa situação financeira tão complicada que não tenho nem como investigar quem quer que seja.

Mas, deixo aqui algumas sugestões.

A primeira é a de uma queixa conjunta dos blogueiros paraenses à Comissão de Ética da Câmara dos Deputados, por quebra de decoro – com um pedido de investigação das verbas que, direta ou indiretamente, custeiam o ofensivo blog do deputado.

Ação nesse sentido também poderá ser impetrada em algum tribunal, através do Ministério Público, dada a possível utilização de dinheiro público para promoção pessoal e finalidades marginais.

Também sugiro uma queixa ao Ministério Público, para a investigação do financiamento de campanha do deputado Vic Pires Franco. E uma devassa nas contas de todos os que vierem a contribuir com a campanha dele ou de Valéria, neste ano.

Tenho a impressão de que o Diário do Pará publicou matéria que fiz sobre as doações de várias empresas do setor de Saúde à campanha do Vic, em 2006 – e, na época, a Secretaria Executiva de Saúde (Sespa) era comandada por um correligionário e ex-sócio dele ou de Valéria, o hoje vereador Fernando Dourado.

Algumas dessas empresas possuíam contratos com a Sespa, alguns deles obtidos de forma muito suspeita. E esse é, certamente, um bom ponto de partida para uma investigação minuciosa, inclusive pela Auditoria Geral do Estado, se alguém encaminhar uma denúncia.

Outra linha de investigação possível é quanto à venda do terreno do Makro e de outros bens do Vic, tendo em vista que o testamento do avô dele só permitiria o usufruto patrimonial.

Há, também, a declaração de bens do deputado – e o apartamento onde ele mora, no luxuoso edifício Atalanta, está avaliado em apenas R$ 203 mil.

No TRE, é possível obter, também, todas as declarações de bens do deputado, desde o primeiro mandato dele, para verificar a evolução patrimonial. Vale investigar, também, as pessoas e empresas que contribuíram nas campanhas dele.

É bom não esquecer, ainda, o convênio da Funtelpa com a TV Liberal.

Da última vez em que estive no MP, há uns dois anos, o pedido de devolução de dinheiro aos cofres públicos já estava em R$ 35 milhões.

Não conheço a história dos processos a que o Vic responde. Mas sei que a consulta de arquivos pela internet é, apenas, o ponto de partida para uma investigação.

Por isso, se eu fosse a Franssinete, que é advogada, iria na Justiça do Trabalho, na Justiça Federal e na Justiça Estadual, para consultar e xerocar um por um desses processos – e bateria na porta de cada demandante, para gravar os depoimentos deles, talvez até com o auxílio de uma câmera de TV.

Com base na postagem de ontem da Franssinete (leiam abaixo) penso que cabe, também, uma queixa ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), para que se investigue o porquê dessa lerdeza nos processos que envolvem o deputado.

Cabe, ainda, um pedido de investigação contra os oficiais de Justiça que não conseguiram localizar o endereço do Vic – um prédio como o conhecidíssimo Atalanta, no centro de Belém.

E, apesar de estar pra lá de apertada, em termos de tempo e dinheiro, me prontifico a escrever e a ajudar a entregar os panfletos e jornais que os blogueiros queiram imprimir, para distribuição em toda a Grande Belém.

Penso que é preciso, sim, uma grande campanha anti Vic e Valéria, inclusive com um livro de ouro, para os interessados em contribuir financeiramente, para que a gente possa varrer essa praga da política paraense.

Essas histórias do deputado Vic Pires Franco, que é um homem público, não podem permanecer apenas no conhecimento dos formadores de opinião.

Elas têm é de ser massificadas; têm de ser levadas ao conhecimento do povão, especialmente agora em 2010.

Para que as pessoas pensem dez vezes antes de elegê-lo novamente.

FUUUIIIIIIII!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

P.S: Dêem uma olhada também no seguinte: no site do TSE, o Vic aparece como tendo curso superior completo. Mas, no currículo dele, no site da Câmara, consta que ele não terminou o curso de Economia. Quer dizer: será que ele mente até em relação à escolaridade?

Postado por Ana Célia Pinheiro às 00:57 10 comentários

Inclusive, no A Perereca da Vizinha, a blogueira abriu até uma enquete:

Na sua opinião, por que é que o deputado federal VIC PIRES FRANCO não diz mais nada sobre a concessão da RBA e o convênio entre a Funtelpa e a TV Liberal?

1-Porque ele tem o rabo preso com os Maiorana.
0 (0%)
2-Porque ele está de quatro diante do Barbalhão.
3 (20%)
3-As duas alternativas anteriores.
12 (80%)
4-Não sei. Estive na Lua, nos últimos 100 anos…

Por esta postagem da Ana Célia, o Vic Pires Franco, postou no seu blog:

Muitíssimo Obrigado. É Isso que Faz Valer a Pena
22/1/2010

Segunda-feira, Setembro 28, 2009

Para o deputado Vic Pires Franco II

Desde a semana passada era pra ter voltado aqui. Aliás, era para ter voltado aqui no dia seguinte ao meu último post, tão logo comecei a receber os comentários que só agora liberei.

Creio que devo ao deputado federal Vic Pires Franco – e até a mim mesma – uns quantos esclarecimentos acerca do que escrevi.

É verdade que temos nos estressado muito, um com o outro, desde que começamos a fazer o blog do Vic.

Imagino que ele já tenha tido vontade de pular no meu pescoço – porque eu já tive vontade, sim, de pular no pescoço dele.

Mas creio que isso é natural: estamos, apenas, começando a nos conhecer. E temos inúmeras diferenças, provenientes da origem, da forma de encarar a vida e até do ritmo biológico.
Penso, porém, que temos algumas coisas importantes em comum. A enorme tolerância às diferenças é uma delas. Além do amor à informação, à notícia.

Em todo esse tempo do blog, Vic jamais me censurou.

Pode até deixar de publicar alguma notícia que eu escolha de algum jornal nacional. Mas isso é uma questão simplesmente editorial. Afinal, o blog é dele, tem até o nome dele; é natural, portanto, que a última palavra em relação a isso seja dele.
Mas, nas matérias que escrevi, ele jamais suprimiu alguma coisa.

E quando quis mudar alguma coisa – um título, por exemplo – teve a delicadeza de me telefonar e sugerir.


E eu concordei porque, afinal, ele estava certo – era para puxar o título para o estado do Pará e não para a Região Norte, como eu havia feito.

Se não tivesse achado que estava certo, obviamente que discutiria. Mas, a verdade é que ele tinha razão.

Assim, fiz o que ele sugeriu e creio que até agradeci.

Atitudes como as deles são extremamente significativas e importantes para qualquer repórter. E mais ainda para mim, que já tive até matérias arrancadas da página pouco antes da impressão do jornal.

Daí que tenho andado preocupada com o que as pessoas poderão pensar dele pelo que escrevi.

Não preciso dele, nem ele de mim. Vic faz um show à parte no blog dele, da mesma forma que eu faço aqui, na Perereca.

Ele tem dinheiro, eu tenho trabalho.

Não, não precisamos, rigorosamente, um do outro.

Mas creio que conseguimos fazer rolar uma química no blog do Vic que é difícil de conseguir.

Até por essa característica comum a ambos, que é a enorme tolerância ao diferente de que falei.

Pouco depois da minha última postagem, Vic me telefonou.

De forma extremamente educada, explicou-me que não teve a intenção de me chamar a atenção publicamente.

Fez, conforme disse, uma brincadeira quase que com ele mesmo – e o seu “cansei de esperar” teria esse sentido; apenas e tão somente uma descontração.

Aceitei-lhe a explicação, até pela forma como foi feita.
Sei que ele me respeita – afinal, me convidou para ajudar a fazer o blog dele. E é – e eu até lhe agradeço por isso – leitor fiel da Perereca.

E, em uma ocasião, teve até a atenção de me corrigir uma informação incorreta que estava dando.

Não me esqueci disso, até porque aprecio imensamente isso…

Não sei se continuaremos juntos; creio que não.

Penso que aquele blog, o blog do Vic é fenomenal; é o tipo de espaço pelo qual todos nós sempre ansiamos.

É um espaço realmente livre, no qual se dá porrada em todo mundo: petistas, tucanos, peemedebistas. E, ao mesmo tempo, em que se elogia tucano, petista, peemedebista. E, sobretudo, se dá destaque à contestação do que se publica – o que é muitíssimo importante.

Creio que o blog do Vic conseguiu aquele equilíbrio tão buscado pelos veículos de comunicação, e não apenas nesses termos.

Mas, também, na capacidade de mesclar a brincadeira e a seriedade.

Lembro de uns dois comentários que vieram nesse sentido. “Cara”, dizia o anônimo, “esse teu blog é uma mistura de Veja, de Caras, de Bíblia, de tudo”…

E o mais engraçado é que muita gente pensa que isso é feito apenas por mim. Quando, na verdade, o Vic escreve muitíssimo bem.

É um extraordinário jornalista. Tanto que dia desses até brinquei com um amigo: o dia em que tiver um jornal convido essa “praga” para fazer a principal coluna do meu jornal. Vai ser um sucesso. E eu vou rir à beça…


Ele consegue ter, em suas notinhas, o tempero exato; aquela pimenta que deixa interessante até um fato aparentemente prosaico.

E eu até agradeço que seja deputado: se fosse repórter de política, não haveria ninguém para fazer-lhe frente.

O sujeito é bom. Definitivamente, é muito bom.

Furão, com excelentes fontes e malicioso na medida certa.

Mas, sinceramente, não quero continuar com isso.

Porque é um estresse permanente.

Como já disse no post anterior, Vic não consegue perceber que nem todo mundo tem a condição material que teve e tem.

E essa é uma das coisas que mais embatuca, porque, bem vistas as coisas, eu também tive tudo, mas, caramba, consigo ver a situação dos outros, que não tiveram isso. E consigo pesar isso.

Talvez eu esteja sendo intolerante, sei lá.

Outro problema é que o Vic é como o vento e até já disse isso à minha filha: a gente olha, está aqui. Olha de novo e está acolá…
Muda como o vento, como a lua, o que nos enche de insegurança.

E a gente fica sem saber o que fazer, já que não pode gritar: pára, vento! Pára quieto um momento, para que eu possa, ao menos, saber o que se passa em tua cabeça, o que queres, afinal…

Mas, se tivesse de condená-lo por isso, teria de condenar, antes, a mim mesma: afinal, inconstante também sou; também sou essa coisa fugidia, a correr pelos porões da minha infância. Os porões que só eu via. E que eram, a um só tempo, maldição e redenção…

De forma que vim hoje aqui para esclarecer isso.
Acho que devia isso ao Vic – e, como já disse, até a mim mesma.

Para não ser injusta. E para considerar alguém que, eu sei, me tem enorme consideração.

Nesse tempo todo tenho pensado em recuar, em ir-me embora.

Tenho sonhado com o interior do Pará. Alíás, desde que vim de lá não tenho parado de sonhar.

Sabem, acho que idade está finalmente me alcançando.

E eu me vejo com uma vida mais ou menos organizada: acordando e dormindo na hora certa, trabalhando na hora certa, comendo na hora certa.

E, aos finais de semana, correndo ao encontro do mar.

E podendo, finalmente, ter tempo para escrever para mim, para terminar umas quantas coisas que comecei e que preciso acabar antes que a morte me alcance.

Estou com quase 100 quilos, pesada como nunca estive.
E o meu joelho aleijado não me ajuda: em outros tempos, perder essa banha toda seria facílimo. Hoje, tenho de perder peso sem fazer nada que sobrecarregue as articulações, o que implica deixar de lado praticamente todos os exercícios aeróbicos.

É uma luta titânica, com essa minha conformação física de gorda – até o meu esqueleto é largo – e a necessidade de emagrecer até para poder continuar a me locomover com a velocidade que o meu trabalho exige.

Ademais, além de tempo para isso, quero ter tempo para muitas outras que me significam muito.

Ler, andar por aí e, sobretudo, num domingo, pegar a minha filha nos braços e cheirá-la como o animal cheira a vida.

A querer reter aquele perfume, único, por toda a eternidade.

Amo isto; sentar à noite com a minha filha em frente à TV e assistir a um filme. Só nós duas. A rir e a esbravejar…
Uma amiga me disse, certa vez, que quando formos embora ninguém vai sentir falta; ninguém, afinal, dará pela falta de nós.

Sei não. Acho que vocês, pelos menos, meus amados e fiéis leitores, sentirão falta dessas análises políticas, meio que enlouquecidas e trêbadas da Perereca.

Penso, porém, que já dei a minha contribuição a tudo isso.

E que talvez, finalmente, tenha chegado a hora de cuidar simplesmente de mim.

FUUUUUIIIIII!!!!!

Sinceramente, não sei onde isto vai parar, ou quando vai parar… se em processos judiciais ou eleitorais ou pessoais. Enquanto isso, vou postando por aqui…

*Terra em Transe é um filme do cineasta Glauber Rocha. Mais sobre este filme, clique aqui.

Anúncios

Sobre Lafayette

Xipaia... o último dos guerreiros!
Esse post foi publicado em Ser político. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Terra em Transe*

  1. Equipe 3 pontos disse:

    Eita poema épico!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s